Opinião do Leitor

Saul Alinsky – O Estrategista Radical de Esquerda

regras-para-radicais-capa

Por Jadson Ferreira

Todo levante para a tomada de poder é preciso ter uma investida e a investida é estrategicamente montada por um estrategista.

Gramsciano de carteirinha Alinsky já sabia que a revolução Marxista não mais seria por luta armada, mas por uma revolução cultural. Seguindo a risca as 45 metas da agenda socialista e a agenda do politicamente correto, ele foi o responsável por aplicar de forma metodológica as tendências comunistas. Seria de maneira muito eficaz tentar ruir a estrutura de dentro para fora, implantando a cultura que eles desejavam.

Com o seu ódio nutrido pelo sistema vigente e o seu pragmatismo, Alinsky conseguiu fazer o que outros ideólogos de esquerda não conseguiram, que foi unir os dissidentes comunistas, socialistas, progressistas, anarquistas, feministas e teólogos da libertação.

Na década de 30 é que tudo começa a se desenrolar na vida de Saul Alinsky. Sociólogo, foi apresentado a gangue de Al Capone no período em que vigorava a lei seca. Para Saul Alinsky não era um problema se envolver com organizações criminosas, pois oque ele queria fazer – desestabilizar o sistema americano – encontrava nessas organizações um braço forte para a sua luta. Com o seu ódio nutrido pelo sistema americano, sua mente cínica, doentia de esquerda, não tinha problema algum unir-se com criminosos, pois de alguma maneira atingia o seu proposito de macular o sistema.

Não é coincidência, e muito menos obra do acaso, o crescimento da criminalidade acentuada nas localidades onde vençam governos de esquerda. Podemos citar os exemplos de Vladimir Lenin, Josef Stalin, Adolf Hitler, Mao Tsé que em tempos de ‘’ paz’’ mataram quase cem milhões, e essas mortes não foram de inimigos da nação, a população foi vitima desses governos totalitários. E porque não incluirmos os governos Lula e Dilma? Governos do irresponsável politicamente correto comunista, onde criminosos são tratados como ‘’vitimas’’ da sociedade. Olhando para Juazeiro, que hoje 19/04/2016, já estamos no lastimável numero de 37 homicídios e as várias tentativas de atos de violência. Não se esqueçam de Juazeiro que é governada por um prefeito do PC do B – Partido Comunista do Brasil.

Um tempo após o seu intercambio na máfia, Saul Alinsky viu a necessidade de mostrar aos seus companheiros esquerdistas que faziam protestos promovendo a baderna e a bagunça, as mesmas formas que vemos hoje os movimentos de esquerda como o MST, UNE, LGBTS, feministas e outros. Deveria mostrar-lhes as formas de como tomar o poder e atrair a massa a seu favor escrevendo em um livro, o passo a passo de como agir. Ele o chamaria de “Rules for Radicals” (Regra para Radicais), e também os advertia que eles não deveriam estar do lado de fora gritando frases como; “abaixo ao sistema capitalista”, ”por uma América fraternal e Soviética”… Mensagens agressivas que os americanos nunca aceitariam. O lugar deles era dentro do Partido Democrata Americano, chegando ao poder e implodindo o sistema por dentro. Infiltrado nas reuniões do Partido Democrata Americano, Alinsky tratou de estreitar os seus laços com Lyndon Johnson presidente norte americano na época, buscando conseguir fundos para ONGS que ele coordenava. As ONGS para Alinsky eram o coração da estruturação do poder, pois lá seria o lugar ideal para doutrinar novos revolucionários. Uma das maiores ONGS de Saul Alinsky a Mead East Academy formou 40.000 ativistas revolucionários em todo o território americano, somente uma das dezenas de instituições fundadas por Alinsky. O mais famoso discípulo de Saul Alinsky é o atual Presidente dos EUA – BARACK HUSSEIN OBAMA!

Conhecer Saul Alinsky é antes de tudo perder a ingenuidade politica, a sua “lógica” é formada com três premissas básicas; em primeiro vem à desinformação em seguida o Niilismo politico e por último a destruição do oponente. Começando pela desinformação farei a seguinte citação: que é a dedicatória do seu livro Regra para Radicais:

 “Devemos olhar para o passado e dar credito ao primeiro verdadeiro radical, o primeiro radical conhecido pelo homem que se rebelou contra o sistema que o fez de forma tão eficaz que pelo menos conseguiu o seu próprio reino, Lúcifer.” (ALINSKY 1971, p.05)

Nós vemos nessa citação duas coisas, a farsa e a vontade pelo poder, quando diz “pelo menos conseguiu o seu próprio reino”, aí está empregada a desinformação, pois se você disser ao seu público os objetos finais de seu projeto politico eles não vão lhe apoiar. Assim pensava Alinsky, tem que dizer que após a luta virá algo bom, mesmo que você não saiba o que é! Que o mundo que você vive é algo mal e cruel e tem que ser mudado, e somente a revolução é capaz disso, afinal quem não quer um reino para si? O reino que Alinsky apresenta nós sabemos qual é. Ele se desmascara e também a causa revolucionária. O inferno, reino conquistado por Lúcifer, é um lugar de sofrimento, amargura e vícios. Ele não é claro ao falar no que houve com Lúcifer após ser lançado ao abismo, podemos fazer a analogia perfeita dos fatos com essa dedicatória. A revolução de Lúcifer o levou a ser lançado fora do sistema vigente que era o lar celeste, e que ele fora para o inferno onde há dor e tristeza. Assim também foi nos governos totalitários de esquerda, com a sua revolução, homens tiranos dominaram suas nações e as fizeram de reféns. Aconteceu com Lenin, Stalin e Hitler, conhecem algo mais parecido ao inferno que AUSCHWITZ na formação do terceiro Reich, que cominou na morte de milhões de pessoas? E os GULAG’S na União Soviética?

No segundo ponto está o Niilismo politico que gira em torno da depreciação da ética e da moral e a perda da noção do absurdo. Se posta por Nietzsche como principio básico a morte da crença na divindade cristã e seus valores morais, o Niilismo politico também pode ser a destruição de qualquer forma de conduta em que valorize as questões éticas, morais e sociais que sustentam a cultura ocidental como a moral ética judaica – cristã, o direito romano e a filosofia grega. Para que o Niilismo possa funcionar esses fatores têm que ser destruídos. Todo revolucionário é Niilista e todo Niilista é de esquerda! Querem tirar todas as demonstrações da religião cristã das escolas publicas oração, imagens, ensino da religião católica e protestante, as datas comemorativas ligadas à religião cristã estão sendo trocadas por qualquer atividade curricular e extracurricular, querem tirar o ensino da historia antiga dos currículos escolares, para que ninguém conheça as antigas civilizações, as que influenciaram a nossa prospera civilização ocidental, além de famigerada tentativa de grupos GLBT empurrando goela abaixo a cartilha do seu movimento nas nossas crianças (de até seis anos). Esse é um dos absurdos que a esquerda quer implantar em nosso país. A mente do esquerdista não funciona de forma sadia, não se pode confiar em genocida, imoral e antiético. Esse é um puxão de orelha em particular: O que cristãos estão fazendo em partidos socialistas? Ora bolas! Vocês são burros ou mentirosos? O que vocês sabem de politica seus tapados? Honrem a sua fé e saiam desse engano!

Para encerrar vamos a ultima premissa: a destruição do oponente. Além de Gramsciano e Niilista como Nietzsche, Alinsky admirava Lenin. Em uma frase muito conhecida de Lenin que diz o seguinte: “Em um debate politico o argumento nunca serve para derrotar o seu inimigo, mas para extirpa-lo da face da terra!”.

Uma das táticas mais conhecidas e usadas por seus seguidores é a quinta das suas treze táticas de organização de massa que está em seu livro Regra para Radicais: “O ridículo é a arma mais potente do homem. É quase impossível contra-atacar o ridículo, também enfurece a oposição que então reage ao seu favor”.

Uma das armas mais usadas pela esquerda falaciosa como sempre e inteligente como nunca, por não ter o poder de argumentação a seu favor, são os insulto e a criminalização dos seus oponentes pelos militantes. Chamarem-lhes de machistas, fascistas, coxinhas, golpistas, homo fóbicos, gordo fóbico. É o discursinho formado na cabeça do comuna, pois de economia politica e Estado de Direito eles não entendem.

     Saul Alinsky estrategista radical que foi ao submundo do crime para tirar lições e nortear os seus companheiros, passando de década em década. O seu publico hoje está muito bem aparelhado com essas táticas. O senhor Alinsky só esqueceu-se de algo! No mundo não existe somente à esquerda e por mais que leiam Trotsky, Karl Marx, Max Weber, Gramsci, Simone Beauvoir, etc…                                                  Com boas doses de Ludwig Von Mises, Olavo de Carvalho, Milton Friedman, Roger Scruton e a excelência da palavra de Deus, são o bastante para vencer qualquer debate ideológico. E VIVA A DIREITA!

Jadson Ferreira é colaborador do blog Vale sem Fronteiras.

Comentário

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *